Qual o impacto que o tráfego constante de carros pode provocar no Parque Nacional de Jericoacoara? Essa é uma das perguntas que terão finalmente resposta com a conclusão dos estudos, a partir das amostras de sedimentos, que estão sendo avaliadas por um grupo de estudantes da disciplina Curso de Campo, do Programa de Pós Graduação em Ecologia Aquática e Pesca (PPGEAP), da Universidade Federal do Pará (UFPA).

O estudo deve ser concluído no inicio do segundo semestre  de 2018, segundo o Professor Doutor Tommaso Giarrizzo, que ministrou a disciplina no mês de março, com o auxílio dos monitores Fabíola Seabra e Oswaldo Junior, além dos apoios operacional e logísticos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Secretaria de Meio Ambiente e Turismo da Prefeitura Municipal de Jijoca e Cooperjeri.

O trecho amostrado e que vai esclarecer sobre o impacto de carros, motos, caminhões e jardineiras compreende aquele que vai da vila do Preá até a vila de Jericoacoara. A intenção é verificar se a compactação contínua do sedimento, a partir desse tráfego diário e permanente, reduz ou mantém a mesma quantidade de invertebrados aquáticos, ou se este número sofre alguma alteração, provocando composição diferente em função do trânsito frequente.

Tommaso Giarrizzo espera  que o estudo vai permitir ter uma leitura sobre um eventual impacto ambiental dentro do parque nacional. “Fizemos coleta de amostras de sedimentos nas quais são encontrados invertebrados aquáticos, e vamos comparar a composição, abundância e riqueza tanto nas amostras das praias onde passam carros como nas áreas onde não passam”, relatou.

Os estudantes de Mestrado do PPGEAP vivenciaram a prática de amostragens de invertebrados aquáticos, de peixes, além da estrutura de vegetação e presença de resíduos sólidos trazidos pelo mar, o lixo marinho. Todos os resultados dessas atividades têm como objetivo, também, auxiliar na gestão do parque, já que serão produzidos indicadores de como estão as diversas áreas protegidas, mas que nelas existem vilarejos como Jericoacoara, Preá, Lagoas Azul e do Paraíso, etc.

Outro estudo que foi realizado diz respeito ao primeiro registro da tilapia, peixe da familia Cichlidae, de água doce, nativo da África e que se tornou uma espécie invasora nas Américas do Norte e Sul. O peixe foi encontrado dentro do parque, o que segundo o professor Tommaso Giarrizzo ocorreu em razão do rompimento de um tanque de cultivo em ambientes naturais.  A tilápia é cultivada no país através de piscicultura.

O grupo de estudantes também fez o resgate de cavalos marinhos em uma área de lagoa que sofreu repentina drenagem. De forma inesperada, uma lagoa teve a barra de contenção rompida e secou em apenas três horas deixando peixes e outras espécies fora da água. Mas graças à rápida e eficiente ação dos mestrandos da UFPA os danos foram minimizados. “Não podíamos soltar os cavalos marinhos no mar porque não teriam como sobreviver. Então a equipe da disciplina fez o resgate e realocou os cavalos marinhos no mangue da região, que ficava a 25 km de onde ocorreu o fato, em parceria com o ICMBio, e onde já sabíamos que lá se tratava de um habitat apropriado para a espécie”, explicou o ministrante da disciplina Curso de Campo.

Outra atividade bem produtiva para os estudantes foi a análise da estrutura do bosque de mangue do parque nacional, no qual puderam avaliar desde o tamanho das árvores até mesmo a composição ao longo de um trecho de um canal de maré, que tem grande relevância e onde é realizada extensiva atividade de ecoturismo. Durante todos os dias em que estiveram em Jericoacoara, o grupo promoveu seminários para debater e estudar as várias situações encontradas durante as coletas e pesquisas. “Agora estamos na fase de analisar as amostras e depois vamos partir para a produção de relatórios, que serão publicados em revistas nacionais e internacionais, mas que principalmente serão encaminhados para os gestores dos órgãos competentes do parque nacional”, finalizou Tommaso Giarrizzo.

Texto: Micheline Ferreira

 

Acesse aqui o EDITAL 056-2018! - Publicado no DOU 03/04/2018 | Edição: 63 | Seção: 3 | Página: 35

INSCRIÇÕES: 04 a 23 de abril de 2018 - HORÁRIO: 09:00 às 12:00h - LOCAL: Universidade Federal do Pará • Cidade Universitária • Secretaria do Curso de Pós-Graduação em Ecologia Aquática e Pesca do Instituto de Ciências Biológicas (PPGEAP UFPA) • Rua Augusto Corrêa n. 01, Guamá, CEP: 66075-110, Belém – Pará. Fone: 3201-8379. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

EDITAL ADITAMENTO Nº 79 (CLIQUE AQUI)

NOVO CRONOGRAMA DE ATIVIDADES (CLIQUE AQUI)

ANEXOS - Ficha de Inscrição; Tabela de Pontuação; e Requerimento de Defesa a Distância (CLIQUE AQUI)

Tabela de Pontuação - Resolução nº 010, de 07/02/2018 - ICB UFPA

Orientações para elaboração e entrega do Projeto e Plano de Atividades